Leio, estudo, passo horas a rir por entre normas revogatórias e repito em voz alta e a gata ouve: Sem prejuízo do disposto no artigo anterior são revogados os rebuçados e as colmeias dentro de teias, os mal educados e tamanho é o delírio que acabo por me deitar a rir. De mim. Qual o interesse do Direito? Deleuze desprezava-o porque lhe era incómoda a linguagem cheia de nuances, truques, rasteiras. O livro, descobri-o hoje no meio de camisolas e recortes de jornais, "La pratique du droit": Il n y a jamais eu qu une manière de penser la loi, un comique de la pensée, fait d ironie et d humour.» Rio das suas opiniões errantes, passeantes por caminhos de pé posto, embora concorde que a linguagem precisava de uma volta linguística que a tornasse acessível.  No fundo, querido Deleuze, o teu gozo é este: os culpados que já são culpados, libertar o direito da lei, sobretudo porque o direito nada sabe. És tão difícil de ler e tão bom para gargalhar.                             

                                      Assisto à vida por um buraco. A hora do chá matinal é sagrada, as fotografias são sagradas, as leituras são sagradas. As conversas de bairro são-me vitais. Saber o que se passa com as pessoas, quem são as pessoas e o meu canto guardado no pequeno café. Abro o jornal, a Lili entrega-me o outro que já não compro. Fotografo. Chega o rapaz e a rapariga do cão e da cadela. Bebem abatanados. Fumam. Ambos são bonitos e nada simpáticos. E por que haveriam de ser gentis?                                      

A política interessa-me, claro. Não consigo ouvir mais lamentos sobre Joacine. Não suporto o fado bicha, o tavares, os câncios oliveiras. A interessante e irritante Joacine não pertence aquele universo de betos universitários e pessoas avulsas sem interesse algum. Quando a olho, o que vejo é uma mulher só no meio de mil grupetas que não são as dela. Apetecia-me arrancá-la dali. Sem condescedência. A Joacine pertence à AR, agora, o partido, aquela coisa sem tom nem som não é ela, é um assunto desses outros. Quem serão? Esqueci-me. Não sei, deixaram de me interessar a não ser como tema de perplexidade risonha. Sujo os dedos com tinta da china. Irrita-me a sujidade, irrita-me. Sinto uma força estranha que me faz levantar todas as manhãs com uma energia e bom humor. 

Há uma grande hipótese de nunca ter sido feliz. No casamento? Mas nem pensar. Grávida por minha conta e saudável e uma filha valiosa, valorosa, chata, teimosa. O resto, Deus, foi um erro grosseiro. Ainda penso nisto porque não me livrei desta porcaria de processo.  Oh,quid ius? Sim. Gosto muitíssimo de Direito Romano. Mas é tudo tão gigante. A matéria é maior que o canhão da Nazaré.

Entristece-me a ausência da senhora dos jornais. Entristece-me a filha naquele mesmo sítio onde conversava com a mãe sobre o tempo e a minha mania de trocar os trocos e deixar cair moedas. Ambas sabemos do que falamos quando falamos da ausência. Da morte. 

O jardim é mais belo no Outono e Inverno que no Verão. Por mim, viveria na Islândia. E por ti? Na China. Não me parece mal. Os chineses do Norte são altos e magros, os do Sul são baixos e magros. Reformam-se aos 50 e começam o dia com tai-chi nos jardins. Não me apetece pensar em Hong-Kong.

Sinto saudades do pai e dos manos. Muitas. 

Amanhã vou comprar uma lâmpada. 

Esta página está carregada de truques. Pica aqui, pica acolá. Ou não. Tanto me dá.
só faço isto para os que de mim gostam. Amigos, amigas, amigxs.