... deitei-me no chão de pedrinhas que doem na pele e mesmo assim tive vertigens. 
Se eu pudesse
viver sempre junto ao mar, dentro do mar e sair do mar a tremer de frio e o sol para aquecer. E a toalha rosa sem areia para me enxugar os olhos carregados de água.
Isto  é que deve ser poesia. Caraca!